Alimentação hospitalar ajuda na recuperação do paciente?

A fama de a comida hospitalar é “sem sal e tempero”, vem da experiência de muitos pacientes, mas há algumas razões importantes para cada cardápio e refeição servida no hospital. Será que a alimentação hospitalar ajuda na recuperação do paciente? Confira aqui neste artigo.

Alimentação hospitalar na recuperação de pacientes

Há diversas empresas que preparam kit lanche hospitalar, com alimentos de acordo com as necessidades de cada paciente e orientação nutricional do setor.

A alimentação constitui um dos pilares terapêuticos mais importantes durante a permanência de um paciente no hospital. Uma dieta adequada permite que o paciente melhore clinicamente e, na maioria dos casos, evite a desnutrição relacionada à doença, que está associada a mais complicações, maior tempo de internação e maiores custos com saúde.

A prevalência de um setor com profissionais de nutrição especializados em alimentação hospitalar é essencial para ajudar na recuperação do paciente, evitando a desnutrição e doenças como anemia, acima das recomendações alimentares que um paciente pode precisar em outros momentos durante a internação.

O aconselhamento preventivo ou de vida feito para a população saudável é essencial.Por isso,   os profissionais de saúde, destacam que alimentar corretamente os pacientes hospitalizados constitui um desafio para os serviços de cozinha e as Unidades de Nutrição Clínica e Dietética dos hospitais.

 Por um lado, deve ser garantida a qualidade nutricional dos cardápios propostos, levando em consideração as alterações produzidas pelas doenças e tratamentos aplicados; e, por outro, é necessário alcançar a palatabilidade máxima (prazer ao se alimentar).

Códigos de dieta específicos

 A Unidade de Nutrição Clínica e Dietética, uma parte muito importante de um Serviço de Endocrinologia e Nutrição, desenvolve um código de dieta específico para o hospital. O tipo de população atendida de acordo com faixas etárias, aspectos culturais e religiosos, patologias atendidas no centro e recursos humanos e materiais da área de hospitalidade do hospital, entre outras questões, determina o tipo de alimento que é preparado e distribuído em cada centro.

As diretrizes alimentares nos centros hospitalares são às vezes muito rigorosas e, embora nas sociedades científicas seja estimulada a possibilidade de liberalizar a dieta, é frequente o recebimento de reclamações sobre alimentos nos hospitais.

O planejamento do código de dieta de um hospital acaba sendo uma tarefa precisa e trabalhosa, capaz de integrar as recomendações alimentares estabelecidas para situações de saúde e doença no campo da restauração coletiva.

Para cada paciente, o padrão alimentar procurará melhorar a tolerância digestiva e sua aceitação para obter um melhor uso dos nutrientes, evitando a desnutrição durante a internação hospitalar.

Assim, em muitos casos, há pacientes que recebem uma dieta específica de acordo com suas necessidades, sejam problemas de deglutição, cirurgias gástricas, alguns tipos de câncer, etc. Nestes casos, a dieta pode variar de acordo com as prioridades terapêuticas do paciente.

Por outro lado, embora a prioridade seja prevenir e tratar a desnutrição e suas complicações associadas (infecções, complicações pós-operatórias, falhas orgânicas), devemos lembrar que os profissionais de saúde aproveitam a internação para educar os pacientes em uma dieta saudável, o que resultará em benefícios de saúde a longo prazo.

Sendo assim, os alimentos oferecidos e refeições hospitalares, são elaborados com objetivo de auxiliar na recuperação do paciente, além de educá-lo a um novo estilo de vida, a fim de obter ótimos resultados em seu tratamento.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *